Os processos de formação de egressos de graduação e de pós-graduação têm grande centralidade no funcionamento da UFMG, constituindo os dois itens que requerem a maior alocação de recursos, tanto no que diz respei­to a horas de trabalho quanto a alocação de instalações e infraestrutura em geral. Os produtos desses processos – os egressos – representam uma expressiva agregação de valor, na forma de capital humano, que se torna disponível para a sociedade.

Relatório de Gestão 2019
Relatório de Gestão 2019 

Deve-se mencionar que os egressos da UFMG se diferenciam por exibirem uma formação acadêmico-profissional de excelência, que os capacita a lide­rar processos de transformação e de inovação nas organizações em que atu­am. A atividade de geração de conhecimento constitui parte intrínseca do sistema de formação dos egressos da UFMG, necessária para assegurar o padrão de qualidade dessa formação. Além disso, por si só, esse processo de geração de conhecimento conduz a produtos de elevado valor agregado.

Produção do conhecimento
O tipo básico de produto oriundo da atividade de pesquisa corresponde às publicações científicas avaliadas por pares – os livros e artigos científicos. Por um lado, uma publicação científica corresponde a uma contribuição ao edifício do conhecimento humano, tornando-se disponível para todos uma vez divulgada. Esse conhecimento é peça central do atual sistema de orga­nização das sociedades baseado nas tecnociências, tanto que podemos afir­mar que o mundo não seria conforme hoje o conhecemos se não existisse tal conhecimento.

Produzir ciência, no sentido amplo do termo, contribui para esse esforço coletivo de toda a humanidade para a construção de seu patrimônio comum de conhecimento: uma instituição inserida no processo de geração da ciência se habilita a participar do sistema de trocas de conhe­cimento no nível mundial, assim assegurando a possibilidade de interpretar e utilizar tal patrimônio, no contexto da região que a abriga, onde e quando se fizer necessário.

Parte da atividade da pesquisa, entretanto, é orientada para a geração de conhecimento do tipo “aplicado”. Trata-se de conhecimento cujo proces­so de criação é orientado, desde o princípio, para abordar problemas exis­tentes na sociedade, na busca por soluções baseadas em conhecimento. Encontram-se nessa categoria os esforços para o desenvolvimento de pro­cessos tecnológicos. No caso desse tipo de conhecimento gerado, há uma imediata geração de valor para a organização a que se destina o processo tecnológico, com o aumento da eficiência da produção, o aumento da qua­lidade dos produtos produzidos, ou mesmo o início da produção de novos produtos, de elevado valor agregado. Esse conhecimento, portanto, se tra­duz em ganhos de produtividade e em vantagens competitivas.

Relatório de Gestão 2019
Relatório de Gestão 2019 

Cabe ainda mencionar um tipo de conhecimento gerado que se situa em posi­ção intermediária entre os dois tipos anteriormente discutidos: a patente. A pesquisa que conduz à obtenção de uma patente pode tanto decorrer de projetos orientados à descoberta científica e que terminam por revelar opor­tunidades de criação de uma invenção potencialmente útil para fins econô­micos, quanto pode surgir no contexto de um projeto de desenvolvimento tecnológico especificamente encomendado por uma organização, já visando uma aplicação específica. Em qualquer dos casos, uma patente pode repre­sentar expressiva geração de valor, produzindo retorno econômico e ganhos de competitividade.

Ranking de produção científica e inovação
Das 20 universidades que mais produzem ciência e tecnologia no Brasil, 15 são federais e cinco estaduais. A UFMG, a terceira melhor universidade do Brasil (a primeira entre as federais) e a oitava melhor da América Latina, está entre as instituições que ocupam as primeiras posições deste ranking. Nos últimos dez anos, 22.375 professores e estudantes de graduação e de pós-graduação da UFMG publicaram 31.927 artigos, que tiveram 338 mil citações. Quase um terço dessas produções (28%) foi fruto de colaboração internacional.

Nosso ecossistema de inovação é maduro, integrado e resulta da consolida­ção de uma política de inovação que retroage aos anos 1990, quando se deu início a um processo contínuo e bem delineado, que demandou recursos con­sistentes, constantes, que possibilitaram planejar prioridades, visando tam­bém o médio e longo prazo. Já são mais de 1.582 pedidos de depósito de patente.

Somos, ainda, a primeira universidade brasileira a regulamentar o Marco Legal da Inovação, estabelecendo assim uma política institucional para a área, por meio de reso­lução do Conselho de Ensino, Pesquisa e Extensão (CEPE) aprovada no fim de 2017. Graças a essa política, a UFMG está preparada para for­mar alianças estratégicas com o ambiente produtivo local, regional, nacional e internacional, para gerar inovação, fomentar o empreen­dedorismo acadêmico, desenvolver prestação de serviços técnicos, bem como prover condições e ambientes propícios para a comuni­dade acadêmica desenvolver suas atividades de pesquisa.

Extensão
Na UFMG, a extensão também é um importante vetor de inovação. São 3,1 milhões de atendimentos todos os anos, 65% deles em parceria com outros setores da sociedade. São 2,4 mil professores e sete mil estudantes, de graduação e pós-graduação, diretamen­te envolvidos numa evidente inter-relação entre ensino, pesquisa e extensão. Deve-se ressaltar que, diferentemente do que seriam os processos típicos de geração de valor em organizações públicas ou privadas especificamente dedicadas a realizar atendimentos similares, a cadeia de valor no caso das atividades da UFMG é significativamente mais complexa, como mostrado no diagrama a seguir.

Relatório de Gestão 2019
Relatório de Gestão 2019

A principal distinção é que sempre existe tanto a dimensão da formação de estudantes quanto a de geração de conhecimento. Para exemplificar essa questão, são mostrados abaixo os diagramas de formação de valor referen­tes a alguns dos processos de interação da UFMG com a sociedade.

Relatório de Gestão 2019
Relatório de Gestão 2019 


Saúde
O atendimento à saúde acontece, por exemplo, nos hospitais universitários. Esses hospitais encontram-se capacitados a realizar intervenções dos mais variados graus de complexidade, incluindo alguns tipos de cirurgias e trata­mentos não disponíveis em nenhum outro hospital no estado de Minas Gerais. Claramente, é formado um valor expressivo para o público atendido.

Para além disso, em toda a atividade de atendimento à saúde executada nas instalações da UFMG sempre existirá a formação de pessoas, seja no nível dos cursos de graduação da área da saúde, seja nas diversas residências ou ainda nas pós­-graduações. Essas são as pessoas que, uma vez formadas, irão ocupar os postos de trabalho nas redes e serviços de saúde.

Por fim, é no contexto do atendimento ao público que se desenvolve a maior parte da pesquisa na área da saúde, com o desenvolvimento de novos tratamentos, novos procedimentos de diagnóstico, novas técnicas de prevenção. Em síntese, o valor entregue à sociedade em muito extrapola o resultado da intervenção em si.

Cultura
Outro exemplo, oriundo de contexto bastante diverso, pode ser observado nos eventos culturais promovidos pela UFMG. O Festival de Inverno, que vem sendo promovi­do anualmente há mais de 40 anos, é uma das atividades de maior impacto no âmbito da cultura, em nível nacional. Nesse festival, a cada ano ocorre uma oferta diversificada de atividades culturais que beneficiam o público de uma cidade mineira durante cerca de duas semanas.

Para além do benefício a esse público, as atividades do Festival pos­sibilitam períodos de contanto intenso entre artistas rele­vantes na cena cultural e estudantes dos diversos cursos das áreas relacionadas à cultura, assim possibilitando experiências inestimá­veis para a formação desses estudantes.

O Festival ainda é palco de inúmeras experimentações de novas técnicas, novas linguagens, novos enfoques, que vêm cumprindo importante papel de alimentar a inovação nas artes em Minas Gerais. Por fim, é também notável que o Festival venha sendo, ao longo dos anos, um ponto de encontro a partir do qual têm se constituído importantes grupos e movimentos artísticos, a exemplo do Grupo Corpo, do Grupo Galpão e do Grupo Giramundo.