Residências do Festival de Verão UFMG projetam trabalhos de jovens artistas da Região Metropolitana

Valorizar a arte produzida por jovens da Região Metropolitana de Belo Horizonte e promover o intercâmbio de conhecimentos entre eles e a universidade. Este é o objetivo dos projetos especiais que serão desenvolvidos durante o 14º Festival de Verão UFMG. Além da exposição Movências: CorpoCidade, serão realizadas quatro residências: De Quebrada: da oralidade à poesia impressa, LAVA - criação corerográfica com Thiago Granato, A urgência da ineficiência - o corpo disponível e Jazz funk e dança show.

O Festival de Verão UFMG está em sua 14ª edição, que será realizada entre os dias 3 e 6 de fevereiro. Ao longo de quatro dias, o público da capital e região metropolitana poderá aproveitar dezenas de atividades. Partindo do tema CorpoCidade, o evento busca potencializar o entendimento da cidade como território cultural e, em especial, a relação com os sujeitos que atuam em um momento de efervescência cultural na região do Baixo Centro de Belo Horizonte.

LAVA - criação coreográfica com Thiago Granato

Já começou a primeira residência do Festival, dando início às atividades da próxima semana. Desenvolvida em parceria com o Verão Arte Contemporânea 2020, a ação aconteceu de 21 a 24 de janeiro e terá uma segunda edição realizada de hoje até 31 de janeiro, das 14h às 18h. As atividades estão acontecendo no Centro de Referência da Juventude e a mostra de resultados será apresentada na abertura do Festival de Verão, dia 3 de fevereiro, às 20h.

Através de um estudo coreográfico sobre a capacidade performática das mãos em criar, penetrar, queimar, derreter, fundir, mover, explodir e transformar diferentes contextos, Thiago Granato convida integrantes do Ballet Jovem Minas Gerais (formado por egressos do Ballet Jovem Palácio das Artes), ex-integrantes da Cia SESC de Dança e artistas de dança da cidade selecionados por edital, para uma imersão artística onde situações de trabalho individuais, e coletivas, serão orientadas para a construção de uma performance em grupo.

Thiago Granato é um artista da dança brasileiro que se dedica a criar coreografias com o potencial de desenvolver diferentes formas de abordar o movimento. Suas produções são resultado de processos que insistem em promover experiências de transformação política através da inovação estética. Seus trabalhos foram apresentados em países da América do Sul, Europa, Oriente Médio e Ásia.

De Quebrada: da oralidade à poesia impressa

Uma residência que une o universo do slam ao da publicação editorial, em uma imersão durante os quatro dias de Festival no Centro Cultural UFMG. Juntos com a professora da Faculdade de Letras da UFMG, Emília Mendes, e com o coletivo 62 pontos, 15 poetas de Belo Horizonte e Região Metropolitana irão produzir a coletânea De Quebrada: um livro confeccionado pelas mãos dos próprios artistas, contendo uma seleção de suas poesias.

O objetivo é apresentar a esses artistas da poesia falada, noções acerca dos processos e ferramentas para a produção de livros, de forma que eles possam realizar suas publicações independentes. Segundo Thais Kas, uma das participantes da residência, essa é uma ferramenta importante para valorizar a obra do poeta marginal. “É importante para que se valorize um artista que, além de recitar, também escreve. Para que a poesia marginal seja registrada e publicada no papel, pois não podemos viver somente nas margens da literatura, da cidade e das mídias virtuais”, afirma Thais, que também é produtora da Coletiva Manas, organizadora do Slam das Manas desde 2016.

O slam tem ganhado força nos últimos anos na Grande BH. Tal movimento se liga de maneira intrínseca à literatura produzida pela e na periferia. “São artistas, poetas, produtores e slammers que usam suas próprias vivências para expressar sua arte em versos e seus corpos para movimentar a cultura da poesia marginal na região”, explica Thais.

Ela e os outros 14 integrantes da residência são os convidados principais, também, do Sarau De Quebrada. O evento gratuito é atração da noite de quinta-feira, 5 de fevereiro, do Festival de Verão UFMG. Diferentemente de um slam tradicional, durante o sarau não acontecerão batalhas. Tanto o público, quanto os poetas convidados, poderão recitar suas poesias a partir das 20h, no Centro de Referência da Juventude.

A urgência da ineficiência - o corpo disponível

Também durante os quatro dias de Festival, de 3 a 6 de fevereiro, Tuca Pinheiro e Corpolítico - núcleo de pesquisa em artes cênicas - se unem na residência de criação em dança contemporânea A urgência da ineficiência - o corpo disponível. Juntos, propõem a não verticalidade no processo criativo, uma experiência construída a partir da possibilidade de errar. As atividades acontecerão das  19h às 22h, na sala 2 do Centro Cultural UFMG.

Um encontro de corpos de hoje, com suas singularidades, suas liberdades, seus gritos. A proposta está lançada. A faca afiada, a flecha apontada. E o coração, mesmo se partido, insiste em arritmias! A esperança reside na ousadia desses corpos que além de políticos são de carne, ossos e histórias. No último dia da residência, 6 de fevereiro, apresentarão inquietações fruto desse encontro, em performance no encerramento do Festival de Verão UFMG.

Tuca Pinheiro é bailarino, formado em dança clássica e contemporânea, diretor coreográfico, criador e professor. Atua como pesquisador, com foco na pesquisa teórico/prática em dramaturgia de dança e em dispositivos que auxiliem o bailarino/intérprete/criador nos processos de composição coreográfica em dança contemporânea. Assina a direção coreográfica de trabalhos como Batme y Robme- New Adventures in Onomatopoeas World - Projeto de Vídeo- Dança, Saloon des Refusès - Dança Jovem, Primeira pessoa do plural e muitos outros.

Residência Jazz funk e dança show com Ohana Lefundes

Ohana Lefundes apresenta uma residência de jazz funk e dança show direcionada a bailarinos profissionais e dançarinos em nível avançado que frequentam e ensaiam no Centro de Referência da Juventude. Realizada na Sala das Artes, no dia 4 de fevereiro, das 15h às 16h30, a ação englobará o funk, a dança show, o jazz funk e outras modalidades presentes hoje no funk profissional.

Bailarina, atriz, coreógrafa e professora de dança, Ohana Lefundes é formada nas modalidades de Ballet Clássico, Jazz, Dança Contemporânea e sapateado, pela Escola de Dança Alice Arja. Foi bailarina da Companhia de Ballet do Rio de Janeiro até agosto de 2015. Já trabalhou com diversos artistas do pop e funk nacional.

Movências: CorpoCidade

A exposição Movências: CorpoCidade irá reunir o trabalho de 14 jovens artistas que atuam na região da Zona Cultural da Praça da Estação. Ela será montada e produzida pelos próprios expositores, e estará em cartaz na Grande Galeria do Centro Cultural UFMG, até 12 de fevereiro. O horário para visitação é de terça a sexta, das 10h às 21h. e sábado e domingo, das 10h às 18h.

Movências propõe apresentar ao público amplo da capital o talento de jovens que circulam, trabalham, estudam e integram ações artísticas culturais no entorno da Praça da Estação. A mostra reúne trabalhos nas áreas de fotografia, performance, escultura, ilustração, pintura, instalação, entre outras linguagens artísticas. A curadoria é de Wilson de Avellar.

A inauguração da exposição será no dia 3 de fevereiro, a partir das 18h30, no Centro Cultural UFMG, durante a abertura do Festival de Verão. O evento contará com performances de artistas que integram a mostra. A programação é gratuita e aberta ao público (sujeita à lotação do espaço). A visitação vai até o dia 12 de fevereiro, de terça a sexta, das 10h às 21h; sábado e domingo, das 10h às 18h. A classificação é de 16 anos. 

Curador: Wilson de Avellar

Artistas participantes: Alexsandro Trigger, Bárbara Macedo, Cynthya Tatyelle, Daiely Gonçalves, David Guener, Denise dos Santos, Iago Marcques, Iodce, Isabel Miranda, Jesus Almeida, Jonata Vieira, Kawany Tamoyos, Pedro Neves e William Nazaré.

Serviço:

14º Festival de Verão UFMG – CorpoCidade - 3 a 6 de fevereiro

LAVA - criação coreográfica com Thiago Granato

Data: 28 a 31 de janeiro

Horário: 14h às 18h

Local: Centro de Referência da Juventude (Rua Guaicurus, 50, Centro ‒ Belo Horizonte)

De Quebrada: da oralidade à poesia impressa

Data: 3 a 6 de fevereiro

Horário: 15h às 19h

Vagas: 15 (participantes já selecionados pela produção do Festival de Verão)

Local: Centro Cultural UFMG (Av. Santos Dumont, 174, Centro ‒ Belo Horizonte)

A urgência da ineficiência - o corpo disponível

Data: 3 a 6 de fevereiro

Horário: 19h às 22h

Período: 3 a 6 de fevereiro

Local: Centro Cultural UFMG - sala 2 (Av. Santos Dumont, 174, Centro ‒ Belo Horizonte)

Jazz funk e dança show com Ohana Lefundes

Data: 4 de fevereiro

Horário: 15h às 16h30

Local: Centro de Referência da Juventude - Sala das Artes (Rua Guaicurus, 50, Centro ‒ Belo Horizonte)

Movências: CorpoCidade

Data: até 12 de fevereiro

Visitação: de terça a sexta, das 10h às 21h; sábado e domingo, das 10h às 18h

Classificação: 16 anos

Local: Centro Cultural UFMG - Grande Galeria (Av. Santos Dumont, 174, Centro ‒ Belo Horizonte)

Assessoria de Imprensa UFMG

Fonte

Assessoria de Imprensa do 14º Festival de Verão da UFMG – Mariana Gonçalves

(31) 9 8638-0936

Serviço