Lazer e esporte

Dedicado ao meio ambiente, Domingo no Campus reúne 1,1 mil pessoas

Estação Ecológica abrigou oficinas, brincadeiras e atividades recreativas na manhã de hoje

Estação Ecológica voltou a sediar o evento neste domingo
Estação Ecológica voltou a sediar o evento neste domingo Foca Lisboa / UFMG

Cerca de 1,1 mil pessoas participaram, na manhã de hoje, 10 de junho, na Estação Ecológica, da 13ª edição do Domingo no Campus, que reuniu atividades relacionadas à questão ambiental. Além da comunidade universitária e de suas famílias, o evento atraiu pessoas interessadas em ecologia, na fauna e flora da Estação e nas oficinas coordenadas por monitores.

No Espaço Gaia, a bióloga aposentada Sandra Guizan participou da atividade de composteira doméstica. “É a primeira vez que venho e estou gostando muito. Amanhã darei uma oficina sobre o mesmo assunto e quero ver qual técnica será ensinada aqui”, explica. Sandra já conhecia o campus Pampulha, mas trouxe sua mãe que nunca veio à UFMG. “É muito importante que a Universidade se abra para a comunidade, para que pessoas que não estudam aqui tenham a oportunidade de conhecer e participar de atividades culturais", defendeu.

Sandra:
Sandra Guizan : dividida entre a oficina de composteira e a dança ciganaJúlia Duarte / UFMG

Com várias atividades ocorrendo ao mesmo tempo, Sandra ficou dividida entre a oficina de composteira doméstica e apresentação de dança cigana, que ocorria ao lado. Lá, a servidora Etel Rossi ensinava aos interessados um pouco da cultura cigana. “Os ciganos são um povo sem raízes e com uma relação forte com a natureza. A dança cigana é austera, para cima. É necessário que você busque aquele passo que te emociona”, explicou a instrutora durante a aula.

Os estudantes Erick Matheus e Rodrigo César já participaram de outras edições, mas ainda não tinham comparecido à Estação Ecológica. Os amigos, que andam de bicicleta todos os fins de semana, aproveitaram a oportunidade para se aventurar pelas trilhas da Estação: “Foi excelente”, comentaram, após terem pedalado por algumas horas.

Concentração
Menos agitada é a oficina de jogos, ministrada pela equipe do Programa de Educação Tutorial (PET) da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional, que reuniu crianças e jovens em torno de uma mesa. Tutor do PET, o professor Luciano Pereira da Silva explicou que a atividade é um desdobramento de oficina realizada às tardes de segundas-feiras, na Escola. “Os jogos de hoje são mais sofisticados. Exigem estratégia e raciocínio matemático”, justificou o professor.

Luisa Ariya, aluna do CP, com seu pedaço de cachecol
Luisa Ariya, aluna do CP, com seu pedaço de cachecol Júlia Duarte / UFMG

Enquanto isso, outra atividade que exige igual concentração era realizada a poucos metros dali, nas imediações do forno a lenha, em volta de uma mesa de madeira. Na oficina de crochê e tricô, a estudante Flora de Paula, do curso de Gestão Pública da Fafich, esmerava-se em tecer uma peça circular de crochê. “Já sabia um ponto e hoje aprendi o ponto seguinte”, revelou. “Já dá para usar como apoio de copo”, sugeriu a monitora Mary Takeda Barbosa, servidora do Centro de Computação. Esperta, a estudante Luisa Ariya, 10 anos, do Centro Pedagógico, acabara de concluir um pedaço de cachecol quando conversou com a reportagem. Estava apressada porque queria curtir outras atrações do evento e, ao ser perguntada se pretendia continuar o trabalho em casa, ela esquivou-se: “Vou deixar para a minha avó”.

As amigas Tânia, Maria José e Jane:
As amigas Tânia, Maria José e Jane: dia de aproveitar o campusFoca Lisboa / UFMG

Há também quem vá ao Domingo no Campus sem um interesse específico – quer apenas descansar sob a proteção da natureza. As amigas Tânia Gouveia, Maria José Noronha e Jane Lages, servidoras da Faculdade de Farmácia, curtiram o domingo de sol debaixo das árvores: “A gente vem aqui a semana inteira para trabalhar e não consegue aproveitar o campus; então acaba voltando no final de semana para curtir”, explicou Tânia.

Sandra Goulart Almeida:
Sandra Goulart Almeida: espaço de convivência e fruiçãoFoca Lisboa / UFMG

Raízes fortes
Com viagem marcada para o início da tarde para Córdoba, na Argentina, onde participará, a partir de amanhã, da Conferência Regional de Ensino Superior (Cres), a reitora Sandra Goulart Almeida fez questão de prestigiar mais uma edição do evento no campus Pampulha. “A UFMG está firmemente enraizada em Belo Horizonte e nas cidades onde atua. Queremos ampliar nosso relacionamento com a sociedade, e esse evento é uma iniciativa muito importante, pois abre as portas de um espaço de convivência e fruição”, disse. Ela acrescentou que é desejo da UFMG integrar seus campi e unidades fora de Belo Horizonte – Diamantina, Tiradentes e Montes Claros – às rotinas locais. Montes Claros promoveu, no mês passado, o seu primeiro Domingo no Campus.

Cláudia Mayorga:
Mayorga: Universidade integrada à discussão ambiental 
Foca Lisboa / UFMG

Para a pró-reitora de Extensão, Claudia Mayorga, o Domingo no Campus organizado na Estação Ecológica integra a Universidade ao movimento de discussões realizadas durante a Semana do Meio Ambiente. “E nada melhor que seja realizado aqui, neste espaço tão lindo”, comentou. A pró-reitora também destacou o caráter acadêmico do evento, que foi incluído como dia letivo pelo Centro Pedagógico da UFMG, e elogiou a atuação dos monitores da própria Estação Ecológica. “São dedicados e têm muito conhecimento sobre a questão ambiental."

As irmãs Andressa, 17, e Emanuele, 14, e a amiga Júlia, 12, chegaram à Estação Ecológica por volta das 9h. Enquanto  percorriam a trilha de acesso à área onde as atividades ocorreriam, conversavam e faziam planos. Mãe de Andressa e Emanuele, a servidora Edmeia Maria Barros da Silva, da Escola de Engenharia, estava impressionada. “Estou encantada. Sem ver tudo, já estou achando excelente”, comentou ela, que acaba de voltar de uma temporada de oito anos de trabalho na Universidade Federal Fluminense (UFF), cedida pela UFMG por meio de um acordo de cooperação técnica. 

Duas horas e meia depois, as três garotas tinham acabado de participar da oficina de cerâmica e exibiam, orgulhosas, as suas criações. Julia, por exemplo, moldou em argila um vaso de planta. Informada de que o próximo Domingo no Campus está agendado para 2 de setembro, Emanuele achou a data distante e sugeriu. “Seria bom se tivesse todo domingo."

Edmeia conta que o passeio deste domingo "foi além do esperado". “É muito importante apresentar a UFMG para a comunidade, utilizando um espaço de lazer como esse. A comunidade deve, cada vez mais, se apropriar desse espaço”, propôs.

Andresa, Julia, Emanuele e Edmeia:
Andressa, Julia, Emanuele e Edmeia com os produtos da oficina de cerâmicaJúlia Duarte / UFMG

Dalila Coelho e Flávio de Almeida