Notícias Externas

Desigualdade de gênero na ciência ainda persiste, aponta pesquisa

As cientistas, em geral, ficam com bolsas de níveis mais baixos que homens mesmo em áreas em que são maioria

Ao comparar a participação dos dois gêneros na ciência por área de conhecimento, estudo revelou desequilíbrios nos números
Ao comparar a participação dos dois gêneros na ciência por área de conhecimento, estudo revelou desequilíbrios nos números Marcos Santos I USP Imagens

Mesmo em áreas em que são maioria, as mulheres ocupam níveis mais baixos da carreira acadêmica. É o que mostra um estudo feito por pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP), Universidade Federal do Pará (UFPA) e pelas britânicas University of Roehampton e Queen Mary University of London. 

O trabalhou coletou dados no Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico (CNPq) e na Academia Brasileira de Ciência (ABC) entre os anos de 2013 e 2014 e comparou a participação da mulher em relação ao homem por área do conhecimento. Os números mostram que as mulheres não são maioria em nenhuma das subáreas de “Engenharia, Ciências Exatas e da Terra”. Em física, por exemplo, são 101 mulheres para 806 homens. 

Já em “Ciências da Vida”, campo associado à saúde, as mulheres até são maioria em boa parte das subáreas, mas não ocupam o topo da carreira acadêmica na mesma proporção. As cientistas, em geral, obtiveram bolsas de nível mais baixo que os homens. Na bolsa PS1 A, por exemplo, que é uma das mais altas, a proporção é de 393 homens para 132 mulheres. A professora da Universidade Federal do Pará, Maria Luíza Silva, uma das autoras do estudo, comenta os resultados da pesquisa.

Ouça a entrevista concedida à jornalista Paula Alkmim

A pesquisa “Underrepreentation of women in the sênior levels of Brazilian Science” foi publicada no Peer Journal.