Pesquisa e Inovação

Estudo mostra que impactos da violência doméstica atravessam gerações

Dissertação defendida na Fafich abre a série do programa 'Aqui tem ciência', que em março focaliza estudos desenvolvidos por mulheres com recorte de gênero

Durante o mês de março, os quatro episódios do Aqui tem ciência, programa da Rádio UFMG Educativa que divulga teses e dissertações defendidas na UFMG, serão dedicados a pesquisas sobre mulheres e feitas por mulheres. A série especial se inicia nesta segunda-feira, 7 de março, com a dissertação de mestrado de Angélica dos Santos, defendida em 2021 no Programa de Pós-graduação em Sociologia da UFMG. A pesquisadora estudou a  transmissão da violência doméstica entre gerações de uma mesma família e a trajetória de vitimização entre mulheres. 

O episódio 109 do Aqui tem ciência traz detalhes da pesquisa de Angélica, que é cientista social formada pela UFMG e trabalha na Subsecretaria de Prevenção à Criminalidade da Secretaria de Justiça e Segurança Pública de Minas Gerais.

A pesquisadora Angélica dos Santos entrevistou mulheres vítimas de violência doméstica
A pesquisadora Angélica dos Santos entrevistou mulheres vítimas de violência doméstica Acervo pessoal

A pesquisadora entrevistou oito mulheres, com idade acima de 18 anos, que já tiveram alguma experiência de violência doméstica cometida por parceiro íntimo. Para interpretar as histórias de vida, Angélica dos Santos partiu de estudos sobre o papel da família no desenvolvimento do indivíduo, estudos específicos sobre violência contra a mulher e usou, principalmente, a chamada Teoria do Desamparo Aprendido. 

A dissertação de Angélica dos Santos verificou a confluência das trajetórias de mães e filhas tanto na vivência de eventos de violência cometida por parceiro íntimo quanto na reprodução de comportamentos e papéis associados ao feminino que reforçam a vitimização.

A pesquisadora também identificou que os comportamentos reproduzidos e a agressão presenciada tornam o ciclo da violência ainda mais difícil de romper. Por fim, o trabalho ainda observou que os relacionamentos íntimos das mulheres ouvidas foram influenciados negativamente por outros eventos de violência, como casos de racismo.

Raio-x da pesquisa

Dissertação: De mãe para filha: a transmissão da violência doméstica entre gerações e a trajetória de vitimização entre mulheres
 
O que é: pesquisa de mestrado que aborda a influência da transmissão da violência doméstica entre as gerações de uma mesma família nuclear, tendo as mulheres como vítimas e elos dessa cadeia
 
Pesquisadora: Angélica Pereira dos Santos
Programa de Pós-Graduação: Sociologia
Orientador: Bráulio Figueiredo Alves da Silva
Ano da defesa: 2021

O episódio 109 do programa Aqui tem ciência teve produção, edição e apresentação de Alicianne Gonçalves e trabalhos técnicos de Cláudio Zazá.

O programa é uma pílula radiofônica sobre estudos da UFMG e abrange todas as áreas do conhecimento. A cada segunda-feira de março, um novo episódio abordará pesquisas feitas na UFMG por mulheres e sobre mulheres.

Na próxima segunda-feira, 14 de março, o Aqui tem ciência abordará a tese de doutorado de Quéren Hapuque de Carvalho, desenvolvida no Programa de Pós-graduação em Enfermagem da UFMG. A pesquisa trata dos fatores de risco para o desenvolvimento das doenças crônicas não transmissíveis (DCNTs) entre mulheres beneficiárias do Programa Bolsa Família. 

O Aqui tem ciência fica disponível em aplicativos de podcast como o Spotify e vai ao ar na frequência 104,5 FM e no site da emissora, às segundas, às 11h, com reprises às quartas, às 14h30, e às sextas, às 20h.