A graduação da UFMG, assim como os cursos das demais Instituições de Educação Superior, passa regularmente por processo de avaliação pelo Ministério da Educação (MEC), por meio de diversos indicadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior (Sinaes). O sistema analisa as instituições, os cursos e o desempenho dos estudantes, considerando aspectos como ensino, pesquisa, extensão, responsabilidade social, gestão da instituição e corpo docente. 

Indicadores

O Sinaes reúne informações do Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade) e das avaliações institucionais e dos cursos. Faz parte desse processo o Índice Geral de Cursos (IGC), que se efetiva por meio de um instrumento construído com base numa média ponderada das notas dos cursos de graduação e pós-graduação de cada instituição, sintetizando num único indicador a qualidade de todos os cursos de graduação, mestrado e doutorado da mesma instituição de ensino. Esse índice é divulgado anualmente pelo MEC, e a UFMG tem mantido conceito máximo (5) desde 2009, quando esse indicador foi divulgado pela primeira vez. 

Além do IGC, há, ainda, o Conceito Preliminar de Curso (CPC), que se traduz como um indicador prévio da situação dos cursos de Graduação, também divulgado anualmente pelo MEC, junto com os resultados do Enade.

Com relação ao CPC, a maioria dos cursos de graduação da UFMG tem obtido conceito entre 4 e 5, conforme levantamentos recentes.

Conceitos dos cursos de graduação da UFMG

Em 2018, a UFMG recebeu nota máxima (5) no Índice Geral de Cursos (IGC) do MEC. Esse valor tem sido alcançado desde a criação do índice, em 2007. Considerando o índice em faixa contínua, é a terceira melhor universidade pública do país e a segunda melhor universidade federal, de acordo com o último IGC divulgado (2018).

Conceitos obtidos pela UFMG em avaliações anteriores podem ser consultados no site da Diretoria de Avaliação Institucional. Conheça:

UFMG no Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (Enade)
UFMG no Índice Geral de Cursos (IGC)
UFMG no Conceito Preliminar de Curso (CPC)

Enade

Dos 71 cursos de graduação avaliados pelo Exame Nacional de Desempenho de Estudantes (ENADE) no triênio 2017-2018-2019, 41 (58%) têm Conceito Enade máximo (5), 21 (29%) têm conceito 4, 7 (10%) apresentam conceito 3 e somente 2 (3%) apresentam conceito 2. De modo geral, quase 90% dos cursos possuem conceito Enade 4 ou 5, o que representa um excelente resultado no exame.

Com relação ao Conceito Preliminar de Curso (CPC), dos 71 cursos avaliados pelo ENADE, 68 deles (95,7%) receberam conceito 4 e 36 (4,3%) deles receberam conceito 3. Dos 52 cursos que passaram por processo de reconhecimento ou renovação de reconhecimento (avaliações in loco) até o ano de 2020, 17 deles (33%) receberam Conceito de Curso (CC) máximo, 30 (58%) receberam conceito 4 e 5 deles têm CC igual a 3 (9%). Portanto, mais de 90% dos cursos avaliados têm CC superior a 4.

Avaliação interna de cursos

A avaliação interna dos cursos de graduação consiste na aplicação a todos os alunos de um questionário para avaliação dos professores e das disciplinas/atividades por eles cursadas a cada semestre. Esse questionário é preenchido, via Internet, no Minha UFMG, sendo o acesso liberado sempre por ocasião da matrícula para o semestre seguinte. 

Os resultados das avaliações dos professores e das disciplinas/atividades estão disponíveis para a comunidade acadêmica no MinhaUFMG. Procurar em Sistemas>Aplicações Acadêmicas>Resultado da Avaliação de Cursos e Disciplinas.

Avaliação contínua para a excelência

O ensino de graduação na UFMG vem sendo reconhecido, na última década, como o melhor do país quando se considera o conjunto dos cursos de cada instituição. Tal desempenho foi obtido em decorrência de todo um conjunto de fatores e de políticas institucionais.

No entanto, certamente não teria sido possível sem o concurso de um fator específico: a UFMG vem estruturando, há décadas, um sistema interno de avaliação de seus cursos, dotado de diferentes instrumentos, e distribuído por diversas instâncias que dividem a responsabilidade pelo aperfeiçoamento da atividade de ensino e pela constituição das condições para que cada curso atinja um patamar de excelência.

Cada curso de graduação da UFMG tem um Núcleo Docente Estruturante (NDE) que funciona como uma instância colegiada cuja principal função é a de realizar, de maneira permanente, ações de avaliação do curso. Além de coordenar processos de Avaliação Externa e Interna e atender ao Censo da Educação Superior, a Diretoria de Avaliação Institucional (DAI) tem o papel de articular as ações dos NDEs, recebendo os relatórios anuais de avaliação dos cursos, além de orientar  a elaboração dos planos de avaliação.

A Comissão Própria de Avaliação exerce o papel de instância colegiada ligada diretamente ao Gabinete da Reitora, sendo assessorada pela DAI, definindo diretrizes para as avaliações, apreciando os relatórios dos cursos e resultados de avaliações externas e internas. A Pró-Reitoria de Graduação, por sua vez, promove o levantamento anual dos indicadores de cada curso, realizando a síntese de relatórios detalhados por curso. Esses relatórios são encaminhados aos Colegiados e aos NDEs, servindo tanto para a tomada de decisões no nível operacional (a cargo, principalmente, dos Colegiados) quanto no nível de planejamento estratégico (cuja primeira instância são os NDEs).

Inovação nas metodologias de ensino

Ao lado da intensa experimentação na formulação de novas estruturas curriculares, a UFMG também dedica considerável esforço à questão do aperfeiçoamento das metodologias pedagógicas utilizadas nas atividades curriculares. Desde 2008, conta com uma Diretoria de Inovação e Metodologias de Ensino (Giz), vinculada à Pró-Reitoria de Graduação. O GIZ tem como missão desenvolver, de forma inovadora, colaborativa e contextualizada, uma rede de práticas educativas, flexíveis e personalizadas de diferentes áreas do conhecimento visando à melhoria da qualidade do ensino de graduação.