Entre 1995 e 2015, o percentual de docentes da UFMG com doutorado passou de 35% para 90%.  O crescimento da qualificação repercutiu positivamente na expansão da oferta de programas de pós-graduação e, consequentemente, na produção científica da Universidade. O incremento trouxe também maior diversidade dos temas investigados e o aumento no registro de patentes.

Todas as informações são hoje facilmente acessadas por meio do Somos UFMG, ferramenta que mapeia as competências dos pesquisadores da Instituição e os indicadores de sua produção científica.  O recurso, desenvolvido pela Coordenadoria de Inovação e Transferência Tecnológica da UFMG, pode ser consultado neste link.