Aumento na frequência de condutores multados por excesso de velocidade é destaque em pesquisa da UFMG

Foi lançado o estudo Vigitel Brasil 2018 – Comportamento no trânsito, que apresenta as estimativas sobre frequência e distribuição sociodemográfica de fatores de risco para as lesões causadas pelo trânsito nas capitais dos 26 estados e no Distrito Federal em 2018, a partir de entrevistas feitas com 52.395 pessoas. O projeto, desenvolvido pelo Departamento de Análise em Saúde e Vigilânciade Doenças não Transmissíveis, da Secretaria de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, conta com o professor do Departamento de Nutrição da Escola de Enfermagem da UFMG, Rafael Moreira Claro, e da egressa do curso de Nutrição e pós-graduanda em Saúde Pública pela UFMG, Thaís Cristina Marquezine Caldeira.

No sentido de evidenciar a importância de monitorar os fatores de risco relacionados à ocorrência de lesões e mortes no trânsito, o foco do estudo é, por meio dos seus resultados, apoiar as ações, as estratégias e as políticas de prevenção de acidentes de trânsito. O documento possibilita, ainda, o aprofundamento do tema trânsito como um problema de saúde pública, de segurança viária, de direitos humanos, favorecendo a consolidação da intersetorialidade necessária ao enfrentamento da violência no trânsito.

No Brasil, os acidentes de trânsito têm grande impacto na morbimortalidade, afetando, principalmente, jovens de 15 a 39 anos do sexo masculino. A ocorrência e a gravidade das lesões estão relacionadas a um conjunto de fatores que envolvem os usuários, as vias e os veículos, que interagem entre si. Dos fatores individuais, destacam-se a adoção de condutas de risco, tais como: excesso de velocidade; associação do consumo de álcool e direção; o não uso, ou uso de maneira inadequada, de dispositivos de proteção (capacete, cinto de segurança, dispositivo de retenção para crianças); uso de telefones celulares ao conduzir veículos, entre outros.

Multa por dirigir com excesso de velocidade

No conjunto das 27 cidades analisadas, a frequência de adultos condutores de veículos motorizados multados por excesso de velocidade dentro da cidade (via urbana) foi de 7,3%, sendo quase duas vezes maior no sexo masculino (8,8%) do que no sexo feminino (4,6%). No total da população, esta frequência foi maior entre os adultos de 25 a 54 anos, e tendeu a aumentar com a elevação do nível de escolaridade em ambos os sexos.

Já nas rodovias, a frequência de adultos condutores de veículos motorizados multados por excesso de velocidade foi de 4,9%, sendo maior no sexo masculino (6,3%) do que no sexo feminino (2,5%). No total da população, esta frequência foi menor entre os adultos jovens (até 24 anos de idade) e, em ambos os sexos, tendeu a aumentar com a elevação do nível de escolaridade.

As maiores frequências deste indicador foram encontradas, no sexo masculino, em Goiânia (13,9%), Belo Horizonte (12,8%) e Florianópolis (12,7%) e, no sexo feminino, em Porto Alegre e Vitória (4,7%), Florianópolis (3,6%) e Belo Horizonte (3,5%).

Blitz de trânsito e teste do bafômetro

A regularidade de adultos condutores de veículos motorizados que passaram por uma blitz de trânsito em sua cidade nos últimos 12 meses foi de 62,2%, sendo maior entre os homens (66,3%), do que entre as mulheres (55%). A frequência deste indicador foi menor entre os indivíduos mais velhos (65 anos e mais) e tendeu a aumentar com a elevação do nível de escolaridade, para toda a população e para ambos os sexos.

Na população adulta, a frequência de condutores de veículos motorizados parados em pelo menos uma blitz de trânsito em sua cidade foi de 26,3%, sendo duas vezes maior entre homens (32,8%) do que entre mulheres (14,7%). Já a frequência de condutores convidados a realizar o teste do bafômetro nos últimos 12 meses foi de 9,7%, sendo três vezes maior entre homens (12,7%) do que entre mulheres (4,4%). Em ambos os sexos, esta frequência foi mais alta para a faixa etária de 25 a 34 anos e tendeu a aumentar com a elevação do nível de escolaridade na população.

Segundo o estudo, 9% dos adultos condutores de veículos motorizados referiram ter realizado o teste do bafômetro durante uma blitz de trânsito, sendo essa proporção quase três vezes maior em homens (11,8%) do que em mulheres (4,1%). Em ambos os sexos, esta frequência foi maior em indivíduos de 25 a 34 anos de idade (16,6%entre homens e 5% entre mulheres) com tendências de diminuição nas faixas etárias subsequentes e de aumento com a elevação do nível de escolaridade.

Condução de veículo motorizado após consumo de bebidas alcoólicas

A regularidade de adultos que referiram conduzir veículos motorizados após o consumo de qualquer quantidade de bebida alcoólica foi de 11,4%, sendo cerca de duas vezes maior em homens (14,2%) do que entre mulheres (6,3%). Na população total e em ambos os sexos, esta frequência tendeu a diminuir com o aumento da idade a partir dos 25 anos, e a aumentar com a elevação do nível de escolaridade em ambos os sexos.

Uso de telefone celular durante condução de veículo motorizado

De acordo com os resultados, 19,3% dos condutores referiram utilizar telefone celular durante condução de veículo, sendo essa proporção semelhante em homens (19,6%) e mulheres (18,8%). Em ambos os sexos, esta frequência foi maior até os44 anos de idade com tendências de diminuição nas faixas etárias subsequentes e de aumento com a elevação do nível de escolaridade.

Variação temporal entre 2012 e 2018

Considerando o conjunto da população de condutores de veículos motorizados coberta pelo sistema Vigitel, a frequência de condutores multados por excesso de velocidade em rodovias aumentou no período entre 2012 e 2018, em média, 0,39 ponto percentual (pp) ao ano e a de condutores multados por excesso de velocidade independentemente do local (incluindo tanto vias urbanas quanto rodovias) em 0,12 pp ao ano. Para o conjunto completo da população, observou-se variação significativa apenas no indicador relacionado a multas por excesso de velocidade. Entretanto essa variação foi observada somente entre os homens, com a frequência de condutores multados por excesso de velocidade em rodovias aumentando em média 0,49 pp ao ano e a de condutores multados por excesso de velocidade independentemente do local em 0,16 pp ao ano no período analisado.

Assessoria de Imprensa UFMG

Fonte

Assessoria de Comunicação da Escola de Enfermagem da UFMG

(31) 3409-9883 – 99278-2799

www.enfermagem.ufmg.br

Serviço