Descoberta da variante mu pela UFMG confirma eficácia de método mais rápido e barato

Método Sanger foi proposto pelo CT Vacinas para vigilância genômica no caso do Sars-CoV-2

A variante mu do Sars-Cov-2 foi detectada pela primeira vez em Minas Gerais pelo Centro de Tecnologia em Vacinas (CTVacinas) da UFMG. Descoberta na Colômbia, no início deste ano, e tratada a princípio apenas como B.1.621, a variante foi encontrada em cinco amostras originadas na cidade de Virginópolis, no Vale do Rio Doce.

A variante mu foi detectada pelo método Sanger, que o CTVacinas propôs recentemente para a vigilância genômica no caso do Sars-CoV-2 e que tem utilizado para analisar material enviado pela Secretaria de Saúde do estado e pela Fundação Ezequiel Dias (Funed).   

O método Sanger possibilita sequenciar pequenos pedaços do genoma, onde estão as mutações, explica o professor Flávio da Fonseca, um dos coordenadores do CTVacinas. “Uma vez que tem foco em quantidades bem pequenas do material genético, o Sanger é mais simples, rápido e barato”, diz. “Muitos laboratórios têm condições de fazer o sequenciamento, diferentemente do que ocorre com o método NGS [New Generation Sequencing], que descreve integralmente o genoma.” Segundo Fonseca, as análises que utilizam o Sanger levam de 48 a 72 horas.

Os pesquisadores do CTVacinas encontraram nas amostras de Virginópolis uma mutação que não batia com as variantes gama e delta. Eles recorreram, então, a banco de dados mundial sobre o Sars-CoV-2 e constataram que se tratava da variante mu. Essa nova versão do vírus já havia sido detectada em outros estados brasileiros, como o Mato Grosso.

De acordo com Flávio da Fonseca, o resultado do sequenciamento feito no CT com o método Sander foi confirmado pelo Laboratório de Biologia Integrativa, do Instituto de Ciências Biológicas da UFMG, que utiliza o NGS. Os achados do CTVacinas, em parceria com grupo da USP, acerca da aplicação do Sanger no monitoramento do Sars-CoV-2 já foram divulgados em artigo no formato pré-print e estão sendo revisados por pares pra publicação, em breve, por periódico internacional especializado.

Não há evidências de que a variante B.1.621 seja mais transmissível ou que provoque quadros de adoecimento mais graves que cepas como a delta e a gama. 

A mu foi detectada também nos municípios de Guanhães e Braúnas, ambos também na região de Virginópolis. Os dois casos de Braúnas foram identificados pelo Laboratório de Biologia Integrativa do ICB.

Leia sobre os boletins semanais produzidos na UFMG sobre ocorrência do coronavírus no estado.

Texto de Itamar Rigueira Jr.

Fonte

Assessoria de Imprensa UFMG

Serviço