Fisioterapeutas da UFMG fazem testes em calçado que simula o comportamento de crianças ao andarem descalças

Andar descalço ajuda no desenvolvimento motor das crianças

Bebês urbanos brincando na areia ou na grama é uma cena cada vez mais rara. Mas, o que poucos pais sabem é que essa simples atividade pode contribuir para o desenvolvimento motor das crianças e que, mesmo sem espaço seguro para andarem descalços, os pequenos já têm sapatos adequados para ajudá-los, inclusive, no desenvolvimento dos pés. O calçado criado pela pesquisadora Ana Paula Lage, que simula o comportamento da natureza sob os pés das crianças para o correto desenvolvimento dos membros e da caminhada, foi testado por fisioterapeutas da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional (EEFFTO) da UFMG.

A equipe de fisioterapeutas deu todo o suporte para os testes de laboratório com os usuários, o que certificou que o calçado Noeh ativa o arco plantar, a curva do pezinho.

De acordo com Ana Paula Lage, essa foi a primeira parceria público-privada com a EEFFTO para prestação de serviço. Também foram feitas outras parcerias com a unidade acadêmica e está em andamento um novo projeto para a análise de desenvolvimento de crianças, que envolve outro tipo de produto. A empresa repassa um percentual para a Universidade, o que possibilitou a contratação de nove bolsistas. Além da importância da aplicabilidade, uma vez que a pesquisa é colocada em prática, com o produto em circulação no mercado, tem ainda o lado social.

O primeiro Noeh

Após quatro anos de estudos multidisciplinares com profissionais de medicina ortopédica infantil, fisioterapeutas e engenheiros, a pesquisadora e designer Ana Paula Lage conseguiu trazer os benefícios da caminhada descalça em solo natural para um bebê urbano. “O resultado foi um produto que simula o comportamento dos pés andando descalço em um terreno natural dentro de um calçado”, explica a pesquisadora.

Para testar a eficácia do Noeh com os bebês, fisioterapeutas doutores e pós-doutores em cinesiologia, neurociências, reabilitação, engenharia biomédica e engenharia mecânica, do Laboratório de Análise do Movimento da EEFFTO/UFMG, fizeram testes de análise de marcha e eletromiografia muscular com 21 bebês, de 11 a 17 meses de idade, no início da aquisição da marcha, e verificou-se que o Noeh não altera o padrão da caminhada da criança. 

Constatou-se, também, pelos fisioterapeutas da UFMG, que o Noeh é o calçado que mais estimula a formação do arco plantar com uma diferença de mais de 50% do que o calçado mais próximo.

A fisioterapeuta e pós-doutora em Ciências da Reabilitação da EEFFTO, Liria Okai-Nóbrega, acompanhou os testes aplicados para a certificação do calçado, que constataram os efeitos imediatos dos sapatos na forma de andar das crianças. “Nesse estudo, verificamos que, geralmente, o uso de calçados influencia no tamanho da pisada da criança, na largura do passo e de como a criança eleva o pé para caminhar, por exemplo. Essas características mostram que o tipo de calçado tem influência direta em como a criança anda”, detalha a fisioterapeuta.

Assessoria de Imprensa UFMG

Fonte

Assessoria da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG

(31) 3409-2339 / 9 7537-0084

www.eeffto.ufmg.br

Serviço