Genérico, de referência ou similar? Professor da UFMG explica diferença nos preços

Entre tantos problemas enfrentados na atualidade, a fome e o desemprego vêm se sobressaindo, juntamente à catástrofe sanitária. Além disso, a necessidade e dificuldade de lutar pela sobrevivência pode ser observada, também, no depoimento daqueles que dependem da compra dos medicamentos. Por isso, conhecer a diferença entre os genéricos, similares e de referência pode ser um fator muito importante na hora de economizar. A equipe da TV UFMG abordou em vídeo essa diferença nos medicamentos. Confira:

Segundo Gerson Pianetti, professor e pesquisador da Faculdade de Farmácia da UFMG, os medicamentos referência são os primogênitos na pesquisa do fármaco, ou seja, o laboratório o pesquisou e comprovou por meio de testes clínicos e pré-clínicos toda a eficácia e a segurança desse fármaco. Ainda segundo o professor, na década de 50, no Brasil, logo após a Primeira Guerra, houve a ascensão de laboratórios estrangeiros e nacionais, os quais passaram a comprar fármacos que haviam sido descobertos em empresas renomadas para fabricarem o mesmo medicamento. 

Na época, não havia, até então, a comparação da eficácia entre os medicamentos produzidos, mas, uma vez que o fármaco era semelhante, havia a produção, surgindo assim os medicamentos similares com o mesmo princípio ativo. Já por volta dos anos 90, no final da década, foi criada então a ANVISA (Agência Nacional de Vigilância Sanitária no Brasil) e aí começou-se, então, a pensar no programa do medicamento genérico. Os laboratórios migraram para essa produção e realizaram os estudos de equivalência farmacêutica com os medicamentos de referência.  

Mas, ainda, a eficácia dos três medicamentos é questionada por grande parte da população. Segundo o professor Gerson Pianetti, o que determina a eficácia do medicamento certo é o insumo farmacêutico. “Se esse insumo farmacêutico é comprado no mercado internacional, o comprador que vai fabricar o medicamento precisa realizar os testes primordiais determinados pela farmacopéia brasileira para determinar se aquele insumo está realmente ativo. Se ele estiver ativo, é seguro e eficaz. Se há a realização de testes físico-químicos comparando os medicamentos genéricos ou similares com os de referência, há a verificação de todos os parâmetros de qualidade determinados para dizer que os dois têm uma equivalência”, afirma. 

Para serem registrados na vigilância sanitária, tanto os medicamentos genéricos como os similares passaram por testes rigorosos de equivalência farmacêutica e de bioequivalência, tornando-os, assim, seguros para o consumo. Dessa forma, na hora da compra, o brasileiro possui a autonomia de escolher o medicamento ideal, de acordo com a sua receita, da maneira que cabe no seu bolso. Segundo o professor, o ideal é manter o diálogo com o médico e quebrar alguns tabus existentes sobre as medicações oferecidas pelo mercado farmacêutico.

Assessoria de Imprensa UFMG

Fonte

Assessoria de Imprensa UFMG

Serviço