Grupo do Direito UFMG realiza ciclo de conferências ‘Filosofia como vírus’

Estimulados pela emergência que o contexto de pandemia do novo coronavírus intensificou na sociedade global, o grupo de pesquisa O estado de exceção no Brasil contemporâneo: para uma leitura crítica do argumento de emergência no cenário político-jurídico nacional, da Faculdade de Direito da UFMG, propõe o Ciclo de Conferências Filosofia como vírus. O evento, que teve início na última terça-feira, continua na próxima semana, nos dias 28 e 31 de julho e 4 de agosto. Inscrições pelo link: https://forms.gle/QfrhfLgYaiSn2cUm7.

Coordenado pelo Andityas Matos, o grupo de pesquisa criou o ciclo de palestras para refletir sobre as inquietações e possibilidades que se delineiam neste momento de agudização das condições de existência. Segundo os organizadores, a pandemia surge como um verdadeiro evento, forçando as portas da história para mostrar que esta pode ser diferente. Desse modo, pretende-se criar espaços para discussões radicalmente filosóficas desse cenário.

Outras informações através do e-mail gpestadodeexcecao@gmail.com ou pela página do grupo no Instagram.

Programação

28 de julho - 18hs

Ana Suelen Tossige Gomes apresenta É o estado de exceção um paradigma (ainda) válido para pensarmos a contemporaneidade? Estado de exceção, pandemia e o pólemos em torno a Agamben. Ana é doutoranda em Direito pela UFMG, com período de doutorado sanduíche na Scuola Normale Superiore di Pisa.

No mesmo dia, Joyce Karine de Sá Souza traz ao debate o tema Espetáculo do vírus, vírus do espetáculo: uma leitura situacionista. Joyce é professora de Direito do Instituto de Nova Educação/Nova Faculdade (Contagem/MG). Doutora em Direito e Justiça (2019) pela UFMG.

31 de julho - 18hs

O privilégio à aspiração: coronavírus e emergência é o tema abordado pelo professor Danton Fillipe Grossi Gangana. Danton é mestre em Direito pela UFMG.

Igor Campos Viana apresenta Pandemia, luto e precariedade: um diálogo com Judith Butler. Igor é professor visitante na University of Westminster. Doutorando em Filosofia do Direito pela UFMG.

A última conferência do dia é A conspiração dos vivos: as lutas contra a asfixia, a ser proferida por Murilo Duarte Costa Corrêa. O conferencista é professor de Teoria Política na Faculdade de Direito da Universidade Estadual de Ponta Grossa (DDE/UEPG). Doutor em Filosofia e Teoria Geral do Direito pela Universidade de São Paulo (PPGD/USP).

4 de agosto - 18hs

A professora Bárbara Nascimento de Lima apresenta a conferência O não uso de máscaras como desobediência civil: a experiência da covid-19. Bárbara é doutoranda em Filosofia Radical e Teoria Crítica do Direito e do Estado pela UFMG.

Bruno Morais Avelar Lima traz a comunicação Os movimentos de extrema direita e a covid-19. O professor é mestre em Direito e Justiça pela Faculdade de Direito da UFMG e doutorando pela mesma instituição.

O ciclo de conferências é finalizado com fala de Rita de Cássia Lucena Velloso, que aborda o tema Interromper o continuum histórico, encontrar a falha por onde o presente precisa se expressar: como narrar o urbano pandêmico?. Rita de Cássia é professora da Escola de Arquitetura e Design da UFMG e da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais. Doutora em Filosofia pela UFMG.

Assessoria de Imprensa UFMG

Fonte

Assessoria de Imprensa UFMG

Serviço