Pesquisa e Inovação

Estudantes da UFMG pesquisam uso de foguete para reflorestamento

Projeto Fênix do curso de Engenharia Aeroespacial busca alcançar áreas de difícil acesso

Equipe Fênix atual.
Equipe Fênix durante processo seletivo de novos membros realizado no 1º semestre de 2018.Foto: Divulgação

Na última semana,  a CAPES - Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior - publicou uma nota na qual informava que, se os cortes de gastos previstos para 2019 fossem cumpridos, mais de 400 mil bolsas de pós-graduação poderiam ser suspensas. A nota repercutiu nas redes sociais, e estudantes e pesquisadores se mobilizaram no Twitter para fazer frente à medida. Com a hashtag "existepesquisanobr", usuários descreveram brevemente suas pesquisas, e entre eles estava Marina Camba, estudante de Engenharia Aeroespacial da UFMG e integrante do Projeto Fênix. Em seu tweet Marina afirmou que tem “muito orgulho de ser a capitã da iniciativa Fênix UFMG, onde se busca desenvolver um foguete carregado de sementes tratadas para promover o reflorestamento de áreas de difícil acesso”. 

A estudante Marina Camba conversou com o programa Expresso 104,5, da rádio UFMG Educativa, nessa terça-feira, 7. 

Ouça a conversa com Filipe Sartoreto

Mais informações sobre o Projeto Fênix no www.facebook.com/FenixUFMG.

Com produção de Giulliana Santos e João Rezende, sob orientação de Alessandra Dantas e Hugo Rafael