Arte e Cultura

Projeto Lugares Imaginários levanta, revive e coleta memórias

O projeto foi para Tiradentes conhecer as histórias dos moradores e o modo como vivem na cidade

.
. Foto: Lugares Imaginários de Memória / Facebook

“O cheiro da cidade molhada é uma mistura de fragrâncias - da chuva, da terra, do sobrado… Cheiro de memória”... Essa frase de  Rogério Almeida, morador da cidade de Tiradentes representa bem a ideia do projeto “Lugares Imaginários”: levantar, reviver, coletar memórias! Coordenado pelo professor Carlos Henrique Falci, da Escola de Belas Artes da UFMG, o projeto foi para Tiradentes conhecer as histórias dos moradores, o modo como vivem na cidade, como a imaginam, como fazem a própria cidade no seu viver cotidiano. O trabalho é baseado na colaboração com a comunidade local e quer fomentar, entre as moradoras e moradores, a discussão e registro das memórias de cada pessoa sobre os bairros onde vivem, e sobre a cidade de maneira geral.
E para falar sobre o projeto Lugares Imaginários, o programa Conexões, da rádio UFMG Educativa, conversou com o professor da Escola de Belas Artes da UFMG e coordenador do projeto, Carlos Falci.

Ouça a conversa com Luíza Glória

A iniciativa é participante da segunda edição do Programa Professor Residente no Campus Cultural UFMG em Tiradentes e é desenvolvida com as bolsistas Cristina Horta e Lila Galdêncio, e você pode conhecê-la pelo Facebook ou pelo Instagram.

Produção: Gabriela Sorice, sob orientação de Luiza Glória