Notícias Externas

Em Belo Horizonte, 51,1% dos habitantes estão com excesso de peso e 16,4% obesos

Com obesidade e excesso de peso estáveis, população de Belo Horizonte passa a adotar práticas saudáveis

Um em cada cinco moradores das capitais brasileiras é obeso, aponta pesquisa do Ministério da Saúde
Um em cada cinco moradores das capitais brasileiras é obeso, aponta pesquisa do Ministério da Saúde Agência Brasil

Apesar de a obesidade ter se tornado uma doença comum, os belo-horizontinos vêm tentando reverter esse quadro. De acordo com a Pesquisa de Vigilância de Fatores de Risco e Proteção para Doenças crônicas por Inquérito Telefônico, realizada pelo Ministério da Saúde; na capital mineira, de 2008 a 2017, o consumo regular de frutas e hortaliças cresceu 16%, a prática de atividade física no tempo livre aumentou praticamente 150% e o consumo de refrigerantes e bebidas açucaradas caiu pela metade, mais que a média nacional. 

Apesar dos avanços, a obesidade continua sendo preocupante na capital mineira: de 2010 a 2017, o SUS registrou que casos de hipertensão e de doenças cardíacas aumentaram quase duas vezes e os casos de diabetes quase triplicaram. Durante o mesmo período, foram atendidas três vezes mais crianças e adolescentes obesos. Para a professora da escola de enfermagem da UFMG, Deborah Carvalho Malta, uma ação que poderia ser eficaz contra a obesidade é o aumento dos impostos sobre alimentos ultraprocessados, assim como a redução do custo dos alimentos naturais. No México, essa medida foi executada. Teve como resultado a redução de 15% do consumo de refrigerantes e aumento do consumo de água. 

Deborah Malta compõe o grupo de trabalho da Organização Mundial de Saúde sobre apoio aos países nos Planos de enfrentamento das doenças crônicas não transmissíveis, e explica que a incidência da obesidade quase dobrou em dez anos no Brasil, e esse aumento abrange também a obesidade infantil. Por isso, a professora enfatiza que é muito importante que se tenham políticas públicas de combate a essa doença. 

Ouça reportagem Gabriela Arcas