Notícias Externas

Mulheres de BH vão às ruas protestar contra feminicídio e outras violências

Evento ‘Quem Ama Não Mata’ será na sexta, 9, na Praça Afonso Arinos; concentração tem início às 18h

Campanha busca reduzir violência enfrentada pelas mulheres
Campanha busca reduzir violência enfrentada pelas mulheres Facebook Quem Ama Não Mata

A cada 7,2 segundos uma mulher é vítima de violência física no Brasil. Esse tempo diminui se forem inclusos os casos de violência verbal: 2,6 segundos. Uma mulher é assediada a cada 1,4 segundos. Esses dados são do órgão Relógios da Violência, do Instituto Maria da Penha, e essas estatísticas também podem ser vistas em nosso cotidiano.

Todos os dias, os meios de comunicação relatam casos de violência contra a mulher, inclusive crianças. Em protesto contra o feminicídio e todos os tipos de violência contra a mulher, mulheres mineiras vão às ruas no ato público Quem Ama Não Mata, na próxima sexta-feira, 9.

O objetivo do ato é denunciar a violência e buscar caminhos para mudar essa situação que coloca o Brasil como o quinto país com maior índice de mulheres vítimas de feminicídio no mundo.

A professora Miriam Chrystus, coordenadora-geral do Quem Ama Não Mata, em Belo Horizonte, falou sobre o evento em entrevista ao programa Conexões, da Rádio UFMG Educativa, nesta quarta-feira, 7.

Ouça a conversa com Luíza Glória

O ato público Quem Ama Não Mata terá início às 18h de sexta feira, 9, na Praça Afonso Arinos, Centro. 

Outras informações podem ser consultadas na página do evento no Facebook.

Denúncias de violência contra mulher podem ser feitas pelo canal Ligue 180, que é gerenciado pela Secretaria Nacional de Políticas para Mulheres. O canal funciona durante 24 horas, todos os dias, incluindo feriados e fins de semana.

Produção de Giulliana Santos e Gabriela Sorice, sob orientação de Hugo Rafael e Luíza Glória