A UFMG integra uma rede de pesquisadores dos Ministérios da Saúde (MS) e da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) que está trabalhando no enfrentamento do novo coronavírus. Em várias áreas do conhecimento, da produção de vacinas aos impactos econômicos e sociais, cerca de 200 estudos estão sendo realizados na Universidade em parceria com outras intituições e fundações de fomento. Conheça alguns deles nas abas abaixo.

  1. Vacinas em desenvolvimento na UFMG

    UFMG se prepara para testar vacina contra a covid-19 em primatas
    A UFMG está concluindo os preparativos para testar em primatas a vacina contra o Sars-CoV-2 que está sendo desenvolvida pelo CT-Vacinas em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com financiamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). Trata-se de um imunizante, batizado de Spintec, cuja plataforma tecnológica consiste na combinação de duas proteínas, entre elas a proteína S, que é utilizada pelo Sars-CoV-2 para invadir as células humanas. O composto formado pelas proteínas combinadas, também chamado de "quimera", é injetado no organismo e induz à resposta imune. Leia mais sobre o desenvolvimento da vacina aqui.

    O projeto contará com o apoio da Assembleia Legislativa de Minas Gerais (ALMG), que comprometeu-se a incluir em projeto de lei relacionado à indenização da Vale pelos danos causados em Brumadinho a destinação de R$ 30 milhões para viabilizar os próximos passos dos estudos do imunizante. Leia mais sobre a parceria aqui.

    A Prefeitura de Belo Horizonte também fechou acordo para repassar R$ 30 milhões à UFMG para o desenvolvimento da Spintec. Os recursos da Prefeitura serão usados no pagamento de despesas de custeio relacionadas à manutenção e a experimentos com os animais, na compra de reagentes (para avaliação da resposta imune, produção e formulação das vacinas), na produção de lotes de teste para análise da Anvisa, na supervisão dos ensaios, no preparo da documentação de pedido de registro, na execução dos testes pré-clínicos e nas duas etapas dos ensaios clínicos. Leia mais aqui.

    Saiba mais sobre a iniciativa no vídeo produzido pela TV UFMG:


    Atuação reconhecida: pesquisadora do CT Vacinas vence prêmio
    A professora da Faculdade de Farmácia, Ana Paula Salles Moura Fernandes, pesquisadora do Centro de Tecnologia em Vacinas e Diagnóstico (CTVacinas) da UFMG e coordenadora da área de diagnóstico de covid-19 da Rede Vírus do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI), é uma das sete vencedoras do prêmio Mulheres brasileiras que fazem a diferença, edição 2021, concedido pela embaixada e consulados dos Estados Unidos no Brasil. Em entrevista ao Portal da UFMG, ela relata como tem sido o trabalho de pesquisa em um momento tão desafiador.

    Sete projetos em andamento na corrida pela vacina brasileira
    A UFMG tem sete projetos em andamento na corrida pela vacina brasileira contra a Covid-19. São vários os vetores e plataformas usados nas pesquisas, todas em fase pré-clínica: vírus, proteína recombinante, DNA, RNA mensageiro e até os bacilos da tuberculose. São cinco projetos desenvolvidos no CTVacinas, parceria estabelecida entre a UFMG, o Instituto René Rachou da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz-Minas) e o Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BH-TEC), e duas no Instituto de Ciências Biológicas (ICB).

    Arquivo de matérias:

    - A UFMG é um dos 12 centros brasileiros que conduzirão testes da fase 3, em humanos, da CoronaVac, vacina contra o novo coronavírus desenvolvida pela biofarmacêutica chinesa Sinovac Biotech.

    - O Hospital das Clínicas da UFMG/Ebserh, ao lado da Faculdade de Medicina, é um dos 20 centros brasileiros que participarão dos testes de uma candidata a vacina contra o novo coronavírus, da Janssen-Cilag, divisão farmacêutica da empresa norte-americana Johnson-Johnson.

    - UFMG participa do Núcleo Rede Vírus dos ministérios da Saúde e da Ciência, Tecnologia e Inovações para compor uma frente de pesquisas sobre o novo coronavírus.

  2. Estudos genômicos de variantes, linhagens e cepas do novo coronavírus

    Pesquisadores da UFMG e do Grupo Pardini alertam que nova variante do novo coronavírus pode estar circulando em Belo Horizonte e outras cidades mineiras. A equipe sequenciou 85 genomas de Sars-CoV-2 de amostras clínicas coletadas na região metropolitana de Belo Horizonte e identificou dois novos genomas com um conjunto de 18 mutações desconhecidas, o que caracteriza possível nova cepa do Sars-CoV-2. Leia mais sobre a pesquisa aqui.

    Assista: como se formam as variantes, linhagens e cepas do novo coronavírus?
    Pesquisador da UFMG explica como os vírus se replicam e por que o distanciamento social é fundamental para interromper os processos de mutação. Confira no vídeo produzido pela TV UFMG:


  3. Estudo clínico de medicamentos e terapias

    Publicado estudo que identifica potenciais drogas contra a Covid-19. Com participação da UFMG, análise computacional identificou 12 substâncias que podem restringir a velocidade de replicação do coronavírus no organismo

    - Mauro Martins Teixeira, da área de Bioquímica e Imunologia, é o responsável pela proposta Estabelecimento de um Núcleo de Estudos Transdisciplinares em Terapias Antivirais e Imunomoduladoras para Covid-19.

    - Miriam Teresa Paz Lopes, da Farmacologia, propôs o projeto Uma abordagem farmacológica multialvo para o tratamento da infecção causada por coronavírus e a prevenção de suas complicações.

    - Vasco Ariston de Carvalho Azevedo, docente do Departamento de Genética, Ecologia e Evolução, é o proponente da Abordagem integrada de combate à Covid-19: desenvolvimento de formulações vacinais, avaliação de imunobiológicos e compostos imunomoduladores.

  4. Realização e pesquisa de testes de diagnósticos

    A UFMG criou o Programa Cooperativa de Laboratórios (CooLabs), com uma atuação articulada e a racionalização de esforços e recursos, colocando seus laboratórios de diferentes unidades acadêmicas a serviço da sociedade. O CooLabs Covid-19 integra a iniciativa como uma rede de laboratórios organizada para realizar testes de diagnóstico, atendendo laboratórios externos, instituições e hospitais privados, hospitais públicos e órgãos governamentais: 

    As parceiras contemplam os sete laboratórios da UFMG:
    1 - CT Vacinas, parceria da UFMG com a Fiocruz/MG, localizado no Parque Tecnológico de Belo Horizonte (BHTEC), atua para produzir três antígenos recombinantes para a realização de testes necessários ao desenvolvimento de ensaios de imunodiagnósticos contra a Covid-19; o desenvolvimento de testes de diagnóstico sorológicos no formato de ELISA e teste rápido (para detecção de IgG e IgM) para Covid-19;
    2 - Laboratório de Virologia, localizado no Instituto de Ciências Biológicas (ICB) da UFMG, realiza diagnósticos do Covid-19 por meio de kits desenvolvidos nos laboratórios da UFMG;
    3 - INCT Dengue, também localizado no ICB, com adaptação dos espaços para análises de Covid-19;
    4 - Aquacen, localizado na Escola de Veterinária;
    5 - Laboratório de RNA de Interferência (ICB);
    6 - Laboratório Institucional de Pesquisa em Biomarcadores - Linbio, da Faculdade de Farmácia;
    7 - Laboratório de Genética e Biologia Molecular, vinculado ao Núcleo de Ações e Pesquisa em Apoio Diagnóstico (Nupad) da Faculdade de Medicina.

    O programa CooLabs foi agraciado, em 2020, com o Prêmio José Costa, iniciativa do jornal Diário do Comércio e da Fundação Dom Cabral, na categoria Qualidade da Inovação e Produção Tecnológica. Também foi considerada a melhor iniciativa destinada ao combate à pandemia do novo coronavírus pelo Confies, entidade que congrega as fundações de apoio a instituições de pesquisa no país.

    Mais de 80 mil testes realizados

    A UFMG é credenciada pela Fundação Ezequiel Dias (FUNED) para realização da fase analítica dos testes da covid-19. Além da Funed, a UFMG é a instituição pública do estado que realiza mais exames para o diagnóstico da covid-19. Até o início de fevereiro de 2021, a UFMG respondia por 27% do total de 384.597 exames realizados em toda a rede pública do Estado de Minas Gerais, abrangendo os 853 municípios.

    A UFMG coordena um projeto do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) que congrega laboratórios de 3 outras instituições. O projeto se dedica a ampliar a capacidade de realização de testes diagnósticos da covid-19, por meio da detecção de marcadores moleculares do vírus Sars-CoV-2. O projeto prevê a realização de 100 mil testes de diagnóstico por mês, e 30% deles estão sendo feitos nos laboratórios da UFMG.

    Minas Gerais é o estado que realiza mais testagens por PCR nestes laboratórios de pesquisa, respondendo por 55% de todos os resultados obtidos. Em números absolutos, a rede de laboratórios da UFMG responde sozinha por 77,5% dos atendimentos realizados pelas universidades públicas brasileiras, no esforço de testes diagnósticos da covid-19 para a
    população.

    Busca por novos testes

    Além dos testes por PCR, realizados nas amostras coletadas por meio dos swabs na rede pública de saúde, por meio de acordo com a Fundação Ezequiel Dias (Funed), estadual, e com as prefeituras de Contagem e de Belo Horizonte, os laboratórios do CooLabs UFMG também participaram do desenvolvimento do teste para detecção do novo coronavírus baseado no método Elisa.

    O kit, que teve tem financiamento da Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais (Fapemig), do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia de Vacinas (INCT-V) e da RedeVírus do MCTI, foi integralmente desenvolvido pelo CT Vacinas da UFMG. Após os primeiros resultados positivos obtidos na UFMG, o material foi validado por outros laboratórios brasileiros e aguarda aprovação da Anvisa.

    Os laboratórios do CooLabs UFMG também pretendem iniciar testagem com novo método de detecção da doença, que se vale de amostras salivares. O teste, que utiliza metodologia de leitura em um aparelho por infravermelho, ainda aguarda autorização pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e pelo Ministério da Saúde. Na busca pela detecção mais rápida e barata do novo coronavírus, o Centro de Tecnologia em Nanomateriais (CT Nano) da UFMG trabalha no desenvolvimento da Plataforma Portátil de Biodiagnóstico (PPB), baseada em dois elementos: nanossensores de ouro e um leitor óptico. A pesquisa é apoiada pela Fundação de Amparo à Pesquisa de Minas Gerais e pelo Ministério da Educação, inclusive com bolsas financiadas pela Capes.

    Arquivo de matérias:

    - A UFMG coordena uma rede de laboratórios para diagnóstico da Covid-19. Treze universidades públicas das cinco regiões do país compõem a rede de laboratórios dedicada a ampliar a capacidade de realização de testes diagnósticos da Covid-19, por meio da detecção de marcadores moleculares do vírus Sars-CoV-2. A UFMG assumiu o papel de instituição executora do projeto, e a coordenação geral é do pró-reitor adjunto de Pesquisa da Universidade, professor André Massensini. A iniciativa do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações teve o formato de chamada por encomenda e contará com recursos de R$ 32,5 milhões, repassados pela Financiadora de Estudos e Projetos (Finep). 

    A UFMG também foi foi credenciada pela Fundação Ezequiel Dias (FUNED), órgão estadual responsável pelo credenciamento de laboratórios para análise dos testes da Covid-19, como parte do REDELAB COVID-19 na qualidade de laboratório parceiro.

    - Além de pesquisar o desenvolvimento de um novo tipo de teste, vários centros de pesquisa da UFMG, como o Laboratório de Vírus do Departamento de Microbiologia do Instituto de Ciências Biológicas e o Instituto Nacional de Tecnologia em Dengue (CT Dengue), estão apoiando a Secretaria de Estado de Saúde com a realização de testes de pacientes suspeitos, por encaminhamento dos hospitais.

    - A UFMG também apoia ação de montagem de Kits para Coleta de Material para Diagnóstico Laboratorial de SARS-CoV-2 no âmbito de seu Instituto de Ciências Agrárias, em Montes Claros/MG, para disponibilizá-los ao Hospital Universitário Clemente de Farias – HUCF/UNIMONTES, que possui laboratório credenciado pela Fundação Ezequiel Dias - FUNED. Dessa forma, a UFMG contribui para reduzir a fila de testagem no Estado de Minas.

    - Projeto Nanobiossensores óticos e eletroquímicos com sistemas sintéticos de reconhecimento de bioengenharia integrados em smartphones para imunodiagnóstico rápido de Covid-19 e monitoramento remoto foi apresentado pelo professor Rodrigo Lambert Orefice, do Departamento de Engenharia Metalúrgica e de Materiais, da Escola de Engenharia.

    Projeto coordenado no DCC e financiado pela Fapemig utiliza aprendizado de máquina para detecção da Covid-19 com base em repositório on-line de imagens dos pulmões

  5. Produção de insumos e equipamentos

    Vários centros de pesquisa da UFMG estão empenhados na produção de materiais para o enfrentamento à pandemia de covid-19. Dentre os mais de 30 projetos de enfrentamento à covid-19, nove foram direcionados à produção de insumos e equipamentos:

    1. Produção de álcool em gel 80%
    2. Confecção de escudos faciais em impressoras 3D (protetores faciais contra covid-19)
    3. Produção em situação emergencial de álcool em gel 70% com insumos alternativos
    4. Esterilização de máscaras N95
    5. Construção de alternativas para ventiladores hospitalares, de baixo custo e rápida fabricação
    6. Modificação de ventiladores pulmonares visando a utilização simultânea entre pacientes graves infectados pelo covid-19
    7. Implementação na UFMG de plataforma tecnológica para produção de vacina de DNA direcionadas a doenças virais infecciosas utilizando nanopartículas lipídicas ionizáveis
    8. Refrigerador solar para transporte e armazenamento de vacinas na era pós-covid-19
    9. Desinfecção do ar utilizando radiação UV-C para eliminação do virus SARS-COV2 e bactérias multirresistentes

    Demais projetos:

    - Protótipo de respirador de baixo custo está sendo projetado por pesquisadores do Departamento de Engenharia de Produção, da Escola de Engenharia, e da Faculdade de Educação.

    - Hospital Veterinário da Escola de Veterinária realiza testes de ventiladores mecânicos de baixo custo para o enfrentamento da pandemia. Leia mais.

  6. Impactos na saúde em geral e projetos de telessaúde

    - Pesquisa investiga relação entre as atividades físicas e os efeitos do novo coronavírus no organismo. Estudo O impacto do exercício físico, da atividade física e do sedentarismo nos desfechos clínicos em pacientes sobreviventes infectados pelo vírus Sars-CoV-2 (novo coronavírus) é desenvolvido na USP e tem participação de Daisy Motta Santos, residente de pós-doutorado no Departamento de Esportes da Escola de Educação Física, Fisioterapia e Terapia Ocupacional da UFMG.

    Leia mais


    - Profissionais privados do sono noturno devem reforçar prevenção contra Covid-19. Pesquisadores da UFMG mostram por que esses trabalhadores têm sistema imune fragilizado e estão mais vulneráveis à infecção.

    Leia mais


    - Pesquisadores da Rede de Estudos em Mobilidade no Envelhecimento (Remobilize) da UFMG conduzem estudo sobre o impacto da pandemia do coronavírus na mobilidade de pessoas idosas.

    Leia mais



    - Manifestações e sequelas neuropsiquiátricas da Covid-19: aspectos clínicos e moleculares é conduzido por Marco Aurélio Romano Silva, docente do Departamento de Saúde Mental da Faculdade de Medicina.


    - A professora Daniella Castanheira Bartholomeu, da Parasitologia, coordena a pesquisa sobre Desenvolvimento de protocolos de acompanhamento georreferenciado da prevalência de Sars-CoV-2 em animais domésticos e no homem e sua associação com infecções preexistentes.


    - Telecovid-19: intervenção multifacetada usando ferramentas de telessaúde para enfrentamento da Covid-19 foi proposto pelo professor Antônio Luiz Pinho Ribeiro, do Departamento de Clínica Médica da Faculdade de Medicina.

    - Medcon, telemedicina plena através do registro e acompanhamento de dados médicos específicos de Covid-19 e outras doenças é liderada por Sérgio Vale Aguiar Campos, docente do Departamento de Ciência da Computação.

  7. Impactos sobre saúde mental e interações sociais

    - Convid Adolescentes - Pesquisa de Comportamentos pretende mapear os efeitos da pandemia do novo coronavírus entre jovens de 12 a 17 anos de idade, com objetivo de descrever as mudanças nas atividades de rotina, nas relações com familiares e amigos, nas atividades escolares, nos cuidados à saúde e avaliar o estado de ânimo da juventude brasileira no período de distanciamento social. A iniciativa dá sequência à ConVid - Pesquisa de Comportamentos, coordenada pelo Instituto de Comunicação e Informação em Saúde (Icict), da Fiocruz, em parceria com a Universidade Federal de Minas Gerais e a Universidade Estadual de Campinas.

    Leia mais


    - Estudo Influência da Covid-19 na saúde mental da população brasileira e de seus profissionais de saúde busca voluntários para responder questionário na internet. O formulário reúne perguntas sobre a história de vida, saúde, hábitos, sentimentos e comportamentos de antes e durante a pandemia. O estudo é feito pela Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP), Associação Brasileira de Impulsividade e Patologia Dual (ABIPD) e Faculdade de Medicina da UFMG.

    Leia mais


    - Núcleo de Estudos e Pesquisa sobre Infância e Educação Infantil (Nepei), da Faculdade de Educação, está desenvolvendo estudo pioneiro, de escuta de crianças de 8 a 12 anos residentes nos 34 municípios da Grande Belo Horizonte. Por meio do preenchimento de formulário on-line, desenhos ou áudios enviados ao site do projeto, as crianças podem contar como estão vivenciando suas interações sociais, sentimentos e emoções, desde que foram afastadas das atividades escolares presenciais, como medida de prevenção ao contágio pelo novo coronavírus.

    Leia mais


    - Pesquisadores dos programas de Pós-graduação em Psicologia: cognição e comportamento, da Fafich, e em Medicamentos e Assistência Farmacêutica, da Faculdade de Farmácia, pretendem avaliar os efeitos da quarentena, do isolamento social e das demandas de trabalho durante a pandemia da Covid-19 sobre a saúde mental e o uso de medicamentos por profissionais da saúde e adultos jovens.

    Leia mais

  8. Impactos econômicos e sociais

    - Núcleo de Estudos em Modelagem Econômica e Ambiental Aplicada (Nemea-Cedeplar), da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG, aponta que investimento no combate à Covid-19 é bom para a saúde e para a economia e há efeitos positivos do incremento de serviços e produção de equipamentos de saúde sobre o PIB e a geração de empregos.

    - O Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar), da Faculdade de Ciências Econômicas (Face), realiza estudos de economia regional. O Centro está divulgando pesquisas, notas técnicas, matérias e entrevistas da equipe relacionadas à Covid-19. Acesse: Twitter e Facebook.

  9. Impactos sanitários e ambientais

    - O projeto que monitora a presença do novo coronavírus no esgoto de Belo Horizonte e Contagem passou a estimar, com base na análise de amostras coletadas de 8 a 12 de junho, que mais de 50 mil pessoas já foram infectadas na capital. Pela primeira vez, em nove semanas, 100% das amostras da bacia do Arrudas testaram positivo para a presença do vírus. Na bacia do Onça, isso acontece desde a sétima semana. O estudo vai durar dez meses e é realizado por pesquisadores do Departamento de Engenharia Sanitária e Ambiental da Escola de Engenharia da UFMG. A pesquisa já rendeu nota ténica aos governos e publicação estrangeira.


    - Estudo Análise espacial de surto de Covid-19 no estado de Minas Gerais, considerando aspectos de saúde, ambientais e sociais foi proposto pela professora Úrsula Ruchkys de Azevedo, do Departamento de Cartografia do Instituto de Geociências (IGC).

    Leia mais

  10. Impactos sobre ensino e trabalho docente

    - Pesquisa investiga condições do trabalho docente na rede pública em meio à pandemia. Professores da educação básica da rede pública de ensino podem expressar suas experiências e condições de trabalho neste período da pandemia. O material servirá a pesquisa que está sendo desenvolvida pelo Grupo de Estudos sobre Política Educacional e Trabalho Docente (Gestrado) da Faculdade de Educação, sob coordenação da professora Dalila Andrade Oliveira, em parceria com a Confederação Nacional dos Trabalhadores em Educação (CNTE).

    Leia mais

  11. Projeções matemáticas e estátisticas

    - Pesquisa vai propor ‘calculadora de risco’ para a Covid-19. Com dados fornecidos por hospitais, objetivo é validar escores para predição de forma grave da doença e mortalidade. Estudo Escore prognóstico para predição de doença grave e mortalidade causada pelo vírus Sars-Cov-2 (Covid-19) é desenvolvido na Faculdade de Medicina.

    Leia mais


    - Número de casos de Covid-19 é pelo menos 7,7 vezes maior do que o oficial. Estimativa é de estudo da Face, baseado na evolução das internações por síndromes respiratórias agudas, desde 2012


     
    Estatística e o combate à pandemia
    O Departamento de Estatística do Instituto de Ciências Exatas (Icex), tem contribuído para o combate ao novo coronavírus utilizando métodos estatísticos que respaldam tomadas de decisões dos governos referentes às políticas de isolamento e prevenção. Por meio de uma base de dados, a equipe colabora com análises de cenários atuais e previsões da evolução da pandemia. Desenvolveram ainda um aplicativo com previsões de casos confirmados e mortes pela Covid-19 nos estados brasileiros, além de promoverem seminários on-line sobre a pandemia. Acesse essas e outras iniciativas no site do Departamento, no Instagram (@dest.ufmg) ou no Facebook e acompanhe todo o conteúdo desenvolvido por este grupo de pesquisa.

  12. Projeções demográficas em áreas como ocupação de leitos

    Projeto Elsa avaliará mudanças causadas pela Covid-19 na saúde do brasileiro

    Grupo de Políticas Públicas e Desenvolvimento (GPPD), da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG,  testa modelo epidemiológico clássico. Entenda aqui.

    Centro de Desenvolvimento e Planejamento Regional (Cedeplar), da Faculdade de Ciências Econômicas da UFMG, aponta sobrecarga em mais da metade das microrregiões de saúde do país se, em um mês, 1% da população de cada unidade for infectada. Acompanhe aqui.

  13. Demais estudos realizados
  14. Pedidos de patentes

    A UFMG recebeu, em 2020, o Prêmio Patente do Ano, concedido pela Associação Brasileira da Propriedade Intelectual (ABPI), com a patente intitulada Método e sonda de aspiração endobronquial de secreções. A edição da premiação contemplou processos destinados ao enfrentamento da pandemia de covid-19.

    Depósitos de Pedidos de Patente sobre a Covid-19:
    1) Uso do tetraclorodecaoxido para produzir medicamentos para tratar pacientes com covid-19
    2) Dispositivo de fixação para protetor facial
    3) Processo para classificação de células quanto a infecção por agentes virais e uso
    4) Materiais em rede como sistemas de liberação controlada de alta atividade e eficiência antiviral, processo e uso
    5) Material híbrido nanoestruturado à base de oligômeros de nióbio, processo de obtenção e uso
    6) Kit para diagnóstico da covid-19, método e uso
    7) Kit para diagnóstico da covid-19, método e uso
    8) Respirador pulmonar pneumático
    9) Processo para classificação de amostras biológicas quanto a infecção por agentes virais e usos
    10) Configuração aplicada a/em protetor facial
    11) Tecnologia que protege superfícies contra o novo coronavírus por até 28 dias

    Depósitos de Registros de Programas de Computador no INPI sobre a Covid-19:
    1) Simulador covid-19

    Programas de Computador Registrados pela CTIT, por criptografia e carimbo do tempo (CRICT), sobre a Covid-19:
    1) MLSerum - diagnóstico para doenças virais baseado em combinação de espectroscopia óptica e inteligência artificial
    2) PanViTa - Pan Virulence and resisTance Analysis
    3) Diagnóstico covid-19 através do hemograma de sangue

    Arquivo de matérias:

    - UFMG desenvolve tira metálica para protetor facial de manufatura simples e baixo custo que já está sendo distribuída para hospitais de BH. Criação é de estudante de Design da universidade. Leia mais. Confira reportagem:


    Combate à Covid-19 gerou três pedidos de patentes na UFMG. Inovações envolvem reposicionamento de fármaco, produção de equipamento de proteção e metodologia de monitoramento de esgotos

  15. Parcerias institucionais em saúde, pesquisa, ciência e tecnologia

    Em um esforço coletivo contra o coronavírus, a UFMG firmou parcerias com instituições municipais e estaduais nas áreas de ciência, tecnologia e inovação. Confira algumas dessas parcerias firmadas:

    Prefeitura de Belo Horizonte

    - PBH e UFMG oficializam acordo para repasse de R$ 30 milhões para testes clínicos da Spintec, uma das três vacinas em estágio mais avançado no Brasil, desenvolvida pelo CT Vacinas.

    - A UFMG tem representação no Comitê de Enfrentamento à Epidemia da Covid-19 da Prefeitura de Belo Horizonte por meio do Professor Unaí Tupinambás (Faculdade de Medicina da UFMG), que também integra o Comitê Permanente de Acompanhamento das Ações de Prevenção e Enfrentamento do Novo Coronavírus da UFMG.

    - A UFMG também atua na gestão da UPA Centro-Sul, Unidade de Pronto Atendimento da Prefeitura de Belo Horizonte, gerenciada pela Fundep/UFMG, em atuação feita em parceria com os hospitais universitários da UFMG - Hospital das Clínicas e Hospital Risoleta Tolentino Neves.

    - Professores do Labvirus, do ICB, desenvolvem projeto de avaliação ambiental de espaços públicos para detecção da presença do vírus SARS-CoV-2.

    Assembleia Legislativa de Minas Gerais

    - Parceria com a Assembleia Legislativa de Minas Gerais para subsídio à tomada de decisões, à proposição de leis e outras ações de apoio. Em 18 de junho de 2020, a Assembleia repassou à UFMG R$ 1,5 milhão para três projetos que estão sendo desenvolvidos na Universidade com foco no combate à pandemia do novo coronavírus, o Sars-coV-2. O recurso está sendo destinado à produção de escudos faciais, ao atendimento em telessaúde e ao desenvolvimento de respirador mecânico de baixo custo.

    - A UFMG está concluindo os preparativos para testar em primatas a vacina contra o Sars-CoV-2 que está sendo desenvolvida pelo CT-Vacinas em parceria com a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), com financiamento do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI). A Assembleia comprometeu-se a incluir em projeto de lei relacionado à indenização da Vale pelos danos causados em Brumadinho a destinação de R$ 30 milhões para viabilizar os próximos passos dos estudos do imunizante. Leia mais sobre a parceria aqui.

    Governo de Minas, por meio da SES, Fapemig e da FUNED

    - Parceria com a Secretaria Estadual de Saúde e a Fundação Ezequiel Dias para testes de diagnóstico.

    - Parceria com o Governo do Estado no Hospital de Campanha para atendimento de pacientes infectados pela Covid-19.

    - Parceria com a Fapemig (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de Minas Gerais), que está investindo em ações voltadas ao enfrentamento e redução de danos provocados pela Covid-19, com a destinação de recursos financeiros adicionais ao Centro de Tecnologia deVacinas (CT-Vacinas), do Instituto Nacional de Ciência e Tecnologia em Vacinas (INCT-V), que conta com a participação de diversos pesquisadores da UFMG.

    - A UFMG receberá investimentos emergenciais da Fapemig no valor de R$ 1,98 milhão para o desenvolvimento de dez projetos de pesquisa relacionados ao enfrentamento da Covid-19.

    Prefeitura de Betim/MG

    - UFMG vai detectar comportamento e alcance do coronavírus em Betim, cidade da Grande BH. Mais de cinco mil pessoas no município serão testadas por meio da combinação dos métodos RT-PCR e soroprevalência em uma parceria com a Secretaria Municipal de Saúde da cidade.

    Secretaria de Saúde de Montes Claros/MG

    - Departamento de Estatística da UFMG faz cálculos para buscar a probabilidade do pico do coronavirus no município de Montes Claros, em Minas Gerais.

    Projetos financiados pela Finep/MCTI, como:

    - Projeto Institucional em Rede: Laboratórios Para Testes de Diagnósticos da covid-19.

    - Corona-ômica BR MCTIC/FINEP: Rede Nacional de genomas, exoma e transcriptoma de covid-19 para identificação de fatores associados à dispersão da epidemia e severidade.

    - Escalonamento de insumos e kits de diagnóstico (Rede Virus/MCTI).

Se você também tem pesquisas na UFMG sobre o tema, entre em contato conosco pelo dir@cedecom.ufmg.br.

Confira a lista de ações desenvolvidas pela UFMG no site da Campanha #Nós UFMG.