Pesquisa e Inovação

UFMG mantém várias frentes de produção de álcool

Laboratórios da Faculdade de Farmácia e projeto vinculado ao Departamento de Química abastecem hospitais e indústrias

Desde março, laboratórios da UFMG vêm atuando na produção de diferentes tipos de álcool, tendo em vista o crescimento da demanda pelo produto em todo o estado. Os dois hospitais gerenciados pela Universidade – o Hospital das Clínicas e o Risoleta Tolentino Neves – perceberam a diminuição da oferta e fizeram parceria com a Faculdade de Farmácia da UFMG para garantir o abastecimento. 

Em um primeiro momento, professores e servidores técnico-administrativos do Centro de Pesquisa, Desenvolvimento e Inovação Farmacêutica (CPDI) realizaram o fracionamento de álcool em gel 70% que, por conter agentes hidratantes, é utilizado para assepsia das mãos, produto essencial para os profissionais da saúde. 
 
No fim de abril, a fabricação de álcool em gel 70% foi impulsionada pela parceria com a BR Distribuidora, empresa de distribuição de combustíveis da Petrobras, que destinou três mil litros de álcool para a Universidade. Além disso, o CPDI também passou a investir na manufatura de álcool glicerinado 80%, solução eficiente, porém mais simples de produzir e mais econômica, para a higienização das mãos. 

De acordo com o coordenador do laboratório, Diego dos Santos Ferreira, em quatro semanas, a equipe conseguiu fabricar 1,5 litros dos dois produtos. “A demanda dos hospitais é de cerca de dois mil litros de álcool por mês. Ou seja, estamos atendendo cerca de 75% dessa necessidade”, destaca.   

A diretora da Faculdade de Farmácia, Leiliane Coelho André, explica que o produto, antes de entrar em produção, passou por análise de qualidade que atestou a pureza da matéria-prima. O trabalho foi realizado pelo Laboratório de Análises Toxicológicas (Lato), que também é responsável por produzir o álcool 80%, solução destinada à limpeza de superfícies. De acordo com Maria José de Pádua, coordenadora do Laboratório, já foram produzidos cerca de 1,5 mil litros de álcool 80% que estão sendo destinados às equipes de limpeza das moradias universitárias, unidades acadêmicas do campus Pampulha e dos próprios hospitais universitários.

Estudantes no comando da produção
O Departamento de Química da UFMG também está atuando na produção de álcool. Estudantes de graduação, mestrado e doutorado da UFMG participam do processamento do álcool glicerinado 70%, em parceria com equipe do Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (Senai). Juntos, eles formam o Escalab, centro de escalonamento de tecnologias e modelagem de negócios, projeto multidisciplinar coordenado pelo professor Rochel Lago, que também está à frente do INCT Midas, sediado na UFMG, cujo objetivo é levar à indústria e à sociedade as tecnologias produzidas nas universidades.  

De acordo com Maria Duarte, estudante de Química e gestora do projeto, nove mil litros de álcool glicerinado são produzidos por semana e entregues a hospitais do estado e a diversas instituições da Federação das Indústrias do Estado de Minas Gerais (Fiemg). Matriculada no nono período do curso, a futura bacharel conta como se sente à frente dessa linha de produção complexa em um contexto de pandemia: “Tirar o conhecimento da sala de aula e vê-lo em prática, com tantas questões burocráticas e outras que aparecem no dia a dia, é muito importante para que eu consiga me desenvolver profissionalmente”, avalia Maria Duarte.  

A TV UFMG acompanhou as linhas de produção pelos diferentes departamentos da Universidade. Assista!  

Ficha técnica: Yves Vieira (produção), Olívia Resende (reportagem), Antônio Soares e Samuel do Vale (imagens), Olívia Resende (edição de conteúdo)